Poliomielite aconteceu de novo!

 

O anúncio de julho de um homem de 20 anos de Rockland County, NY, paralisado pelo poliovírus, traz memórias do medo, deficiência e morte que vinham a cada verão com as epidemias de poliomielite.

 

Como pode a pólio está acontecendo aqui? Temos uma vacina injetável contra a poliomielite (IPV) com 99% de eficácia disponível para todas crianças nos EUA desde 2000. As vacinas não podem fazer seu trabalho se as pessoas não as tomarem, e o jovem de Nova York não foi vacinado. É por isso que a poliomielite está acontecendo novamente!

 

Os relatórios iniciais indicam que sua paralisia foi causada por uma mutação da vacina oral de poliovírus tipo 2 (OPV), uma mutação que ocasionalmente faz com que a vacina resulte em paralisia. As vacinas orais contra a poliomielite desse tipo não é administrado nos EUA desde 2000, sugerindo que a cadeia de transmissão desta doença contagiosa começou no exterior. O CDC e a OMS relataram que o vírus que o infectou está geneticamente relacionado ao poliovírus derivado dessa vacina.

 

Infelizmente esse homem deve ter entrado em contato próximo com alguém que recebeu esse tipo de vacina oral contra a poliomielite fora dos EUA. Para os sobreviventes da pólio, este caso em NY é terrivelmente triste e profundamente pessoal. Triste porque a vacina injetável administrada nos EUA, é 99% eficaz em sua proteção contra todos os três tipos de pólio. Se essa pessoa tivesse sido vacinada, nunca teria ficado doente.

 

Ainda mais triste é que ele terá que conviver com uma deficiência e as chances são grandes de que ele experimente e se torne ainda mais incapacitado como resultado da Síndrome da Pólio (SPP) - os efeitos tardios da pólio - à medida que envelhece.

 

Por que um caso de poliomielite é profundamente pessoal? Porque a falta de vacinação acrescentou mais um evitável caso de paralisia da poliomielite.  Para a OMS estima-se que 20 milhões de sobreviventes da poliomielite, 75%+ dos quais desenvolverão SPP.

 

Os sobreviventes desta doença sempre se lembrarão:

• Daqueles que morreram.

• Do terror que acompanhava estar tão doente.

• Meses e anos solitários de hospitalização, cirurgias e reabilitação dolorosa enquanto separados de pais e irmãos.

• A assustadora realidade de um pulmão de ferro.

• A tristeza que veio com a descoberta de cadeiras de rodas, órteses e muletas necessárias para toda a vida.

• A solidão que veio quando voltaram para casa e foram forçados a aceitar que todos ao seu redor sabiam que era a casa de um “aleijado”, e que os pais mantinham seus filhos longe.

• O choque que veio com a realidade dos efeitos a longo prazo da poliomielite (SPP), quando acharam que tinham escapado ou se recuperado da paralisia e se encontravam novamente com uma nova fraqueza, fadiga e dor à medida que envelheciam.

 

 

 

Poliomielite aconteceu de novo!

 

Sim, a história do sofrimento deste jovem é triste e profundamente pessoal. Mesmo uma pessoa não vacinada contra poliomielite é demais. Sua dor é completamente desnecessária. O milagre das vacinas contra a poliomielite chegou tarde demais para nós e para os milhões de outros que vivem com os efeitos da pólio.

 

Celebramos o foco do Rotary International na prevenção de doenças e a Iniciativa Global de Erradicação da Pólio por seus esforços determinados para livrar o mundo da pólio e educar os pais sobre o presente das vacinas modernas.

 

Apesar desses esforços determinados de erradicação no exterior, a pólio está acontecendo nos EUA!

 

Por favor, escolha vacinar. Ninguém precisa sofrer os efeitos da poliomielite, nunca mais.

 

A origem estrangeira do poliovírus que paralisou o homem não vacinado em Nova York é um lembrete doloroso que a poliomielite (e muitas doenças evitáveis ​​por vacinas) estão a apenas uma viagem de avião!

 

Fonte:

https://www.papolionetwork.org/uploads/9/9/7/0/99704804/august_2022_news_update.pdf

Foto: Pixabay