Qual o papel do exercício na Síndrome Pós Pólio?​

 

A poliomielite paralítica aguda pode resultar em fraqueza muscular permanente quando a infecção viral leva à morte das células do neurônio motor. Acredita-se que a recuperação da paralisia se deva ao novo surgimento de terminações nervosas em fibras musculares órfãs, criando unidades motoras aumentadas. 

 

A recuperação também é atribuída a exercícios que facilitam o alargamento das fibras musculares inervadas. Por exemplo, alguns sobreviventes da pólio recuperaram o uso dos braços e caminharam por anos com muletas. Outros recuperaram a capacidade de andar sem o auxílio de aparelhos ortopédicos, muletas, etc., e continuaram a andar por décadas.

 

Acredita-se que o aumento da fraqueza muscular reconhecida nas pessoas com síndrome pós-pólio ocorra a partir da degeneração das unidades motoras aumentadas. Especula-se que a morte prematura de alguns dos neurônios afetados pelo poli vírus também causa nova fraqueza, e alguma nova fraqueza é causada pelo desuso ou declínio na atividade ou exercício!

 

Dor, fraqueza e fadiga podem resultar do uso excessivo de músculos e articulações. Esses mesmos sintomas também podem resultar do desuso de músculos e articulações. Este fato causou um mal-entendido sobre encorajar ou desencorajar o exercício para sobreviventes da pólio ou indivíduos com SPP.

 

O exercício é seguro e eficaz quando cuidadosamente prescrito e monitorado por profissionais de saúde experientes. O exercício tem maior probabilidade de beneficiar os grupos musculares menos afetados pela pólio. 

 

O treinamento de resistência cardiopulmonar é geralmente mais eficaz do que exercícios de fortalecimento, especialmente quando as atividades são ritmadas para permitir pausas frequentes e estratégias são usadas para conservar energia. 

 

 

 

3 idade-4.jpg

Exercícios repetitivos intensos ou pesados ​​e levantamento de peso usando músculos afetados pela pólio podem ser contraproducentes, pois podem enfraquecer ainda mais em vez de fortalecer esses músculos.

 

As prescrições de exercícios devem incluir:

  • os grupos de músculos específicos a serem incluídos,
  • os grupos musculares específicos a serem excluídos
  • o tipo de exercício, com a frequência e a duração.
  •  

O exercício deve ser reduzido ou interrompido se causar fraqueza adicional, fadiga excessiva ou tempo de recuperação indevidamente prolongado, observado pelo indivíduo com SPP ou pelo profissional que está monitorando o exercício. 

 

Como regra geral, nenhum músculo deve ser exercitado a ponto de causar dor, fadiga ou fraqueza!

 

 

 

Fonte: Pos Polio International