Como foi a sua experiência com a quarentena da Covid?​

 

Como foi sua experiência com a Covid?

Sou James Murtha. Tive uma lesão na medula espinhal em 5 de outubro de 2014 e estou  tetraplégico. Tenho mestrado em Serviço Social e trabalho na área de saúde mental, bem como sou voluntário em advocacia política e crio produtos adaptativos para tornar minha vida mais fácil. Antes da Covid, eu morava em meu próprio apartamento, de um quarto, com meu cão-guia, Phoenix.

 

Por um breve período, meus atendentes pessoais habituais da agência de cuidados de saúde vieram ao meu apartamento. Então, uma vez que a ordem de ficar em casa foi promulgada, meus pais se ofereceram para assumir todos os meus cuidados para manter nos três seguros. 

 

As atividades diárias típicas mudaram durante a quarentena. No começo, eu estava meio que indo de qualquer jeito, pulando de atividade em atividade, dias não planejados. Recentemente, porém, criei uma programação diária não muito extensa e adicionei poucas técnicas de gerenciamento de tempo, incluindo a estratégia Pomodoro, que envolve fazer pausas pré-planejadas. Também defini novas metas, que me ajudaram a manter minha mente ativa e a não me alongar muito na atual situação global.

 

A coisa mais difícil de lidar durante o bloqueio foi cuidar da minha saúde mental, principalmente me perguntando se estou gastando meu tempo com sabedoria. Vejo este momento como um possível presente, ou oportunidade, e não quero olhar para trás desejando ter feito algo mais útil. Também tem sido um desafio ter meus pais assumindo todos os meus cuidados, porque fico preocupado em pedir a eles que façam muito. Não quero que eles se machuquem fisicamente ou se desgastem! Senti falta de sair e circular pela cidade.

 

No que diz respeito ao que me sustentou durante esse tempo, acho que se resumiria a permanecer ocupado de maneiras que pareçam valiosas e permanecer conectado. 

 

Durante esse bloqueio, estabeleci a meta de realmente trabalhar em mim mesmo e cuidar de muitas coisas que tenho negligenciado. Tenho lido muitos livros e participado de algumas aulas online gratuitas;  tentando melhorar minha velocidade de leitura e minha própria eficiência com gerenciamento pessoal. Como mencionei antes, a programação e outras técnicas ajudaram porque a rotina é importante. 

 

O registro no diário também foi valioso. O bate-papo por vídeo com amigos e familiares tem sido reconfortante. Admito vergonhosamente que muitas vezes não tenho vontade ou energia para falar com outras pessoas, mas sei que isso é muito importante para minha saúde e bem-estar.

 

Após reflexão, são três coisas boas inesperadas que surgiram dessa experiência de quarentena pandêmica:

 

Estendi a mão e passei mais tempo com pessoas que já estavam distantes de mim (morando em outro estado, país ou mundo) do que antes da pandemia. Eu não tinha dado tanta atenção a muitos amigos e familiares antes, por causa da confusão e agitação do dia a dia. Agora me sinto mais conectado com pessoas importantes em minha vida, pelo menos um pouco. 

 

Aprendi que, apesar de não ser capaz de mover meus dedos individualmente, sou um desenhista decente e um grande adivinhador quando se trata de descobrir o que outras pessoas estão desenhando! Passei muito tempo em aplicativos como o Houseparty com amigos e família e me tornei muito bom em jogos de “desenho”.

 

Terceiro, uma das muitas outras coisas que aprendi foi perceber que a vida continua avançando, mesmo durante um bloqueio. O tempo não espera por ninguém e ainda voa. Aqueles em meus círculos e eu nos adaptamos à situação e ainda estão avançando.
 

O que quero compartilhar com todos?

 

Descubra o que funciona para você. Você pode ter outras prioridades e não concordar com a maneira como gerencio meu tempo; e está tudo bem. Descubra o que é importante para você, segure-o e persiga-o com mais fervor do que nunca.

 

Registrar no diário e rastrear o que você é grato também ajuda e muito!

 

Fonte:

https://www.sunnyrollerblog.com/hows-your-quarantine-been/