O cérebro dos Sobreviventes da Pólio é afetado pela SPP?

 

Em nossos 37 anos de estudo e tratamento de mais de 6.000 sobreviventes da pólio, o mais proeminente e incapacitante sintoma é a Fadiga! Essa fadiga não é apenas física, mas o que os sobreviventes da pólio descrevem como "cérebro fadiga."

 

Na Pesquisa Internacional Pós-Pólio de 1990, entre 70% e 96% dos entrevistados, que relataram fadiga também relataram dificuldade de concentração, atenção focalizada, divagação mental, memória, pensamento acelerado e dificuldade em encontrar palavras; 77% relataram dificuldade de moderada a grave com essas tarefas cognitivas.

 

É importante ressaltar que essas deficiências relatadas foram observadas em sobreviventes da pólio na faixa dos 40 anos e nunca foram associadas à demência.

 

DADOS DE LABORATÓRIO

 

Nossos estudos descobriram uma relação entre fadiga, comprometimento da ativação cerebral e sintomas cognitivos:

 

1) Indivíduos que relataram fadiga severa e dificuldade em encontrar palavras tiveram alterações clinicamente anormais ou significativas pontuações mais baixas no Teste de Nomeação de Animais em comparação com indivíduos com fadiga leve;

 

2) Desempenho lento nos testes mais difíceis de atenção e velocidade de processamento de informações foram associados a escores mais baixos em testes de busca de palavras;

 

3) Uma relação significativa entre as pontuações do Teste de Nomeação de Animais e a prolactina plasmática sugere que, uma redução na secreção de dopamina cerebral está relacionada com a capacidade de nomeação prejudicada e que a diminuição da secreção de dopamina, possivelmente secundária ao dano do poliovírus ao gânglios, leva não apenas à fadiga e atenção prejudicada, mas também à dificuldade em encontrar palavras.

 

4) Os sobreviventes da poliomielite relatam um fenômeno de “ponta da língua” caracterizado pela dificuldade em nomear objetos e pessoas (às vezes até familiares), dificuldade que aumenta à medida que a fadiga piora.

 

Essa queixa é semelhante à de pacientes com doença de Parkinson que também relatam dificuldade para encontrar palavras bem como fadiga "excessiva" e às vezes incapacitante.



 

O cérebro dos Sobreviventes da Pólio é afetado pela SPP?

Os pacientes de Parkinson e sobreviventes da poliomielite são semelhantes, pois ambos têm danos aos neurônios produtores de dopamina.

 

 

IMPLICAÇÕES CLÍNICAS

 

A associação entre o comprometimento subjetivo e medido da capacidade cognitiva, apoia a hipótese de que os sintomas de fadiga cerebral pós-pólio estão relacionados a uma diminuição na liberação de dopamina, causando uma redução na ativação cerebral, e não são sintomas de demência.

 

Portanto, é bom ficar atento, na administração de testes de saúde mental para sobreviventes da pólio, pois devido ao explicado acima pode haver distorção! 

 

Qualquer diminuição nos resultados do teste de exame de saúde mental em itens em que a concentração e a busca de palavras são necessárias (por exemplo) devem ser relatados com ressalvas, incluindo o nível subjetivo de fadiga dos pacientes durante o teste, hora do dia, história da concentração subjetiva e da palavra.

 

 

Fonte:

https://www.papolionetwork.org/uploads/9/9/7/0/99704804/mental_status_exam_caution.pdf