Rod Muller - minha história com a Pólio!!!

 

Contraí poliomielite aos 6 anos de idade em 1956 e fui afetado dos quadris até meus pés. Felizmente eu não tive que passar pelos rigores de um pulmão de ferro ou ferros na perna e depois de alguns meses e muita fisioterapia, voltei para a escola e continuei a vida e realmente nunca mais pensei nisso.

 

No início da década de 1980, minha mãe me disse um dia: “Você já ouviu falar que eles estão descobrindo pessoas dos anos 40 e 50, que estão sendo diagnosticados com Síndrome pós-pólio?” Meu comentário foi: "bem, parece que me esquivei dessa bala!"

 

Avance o relógio para 2019 e eu tive que fazer uma operação sinusal simples no meu nariz e quando acordei na manhã seguinte saí da cama para ir ao banheiro antes do café da manhã e me encontrei um pouco sem pernas e pensei comigo mesmo, isso é um pouco diferente, isso nunca aconteceu antes.

 

Espero que não seja um problema de hidrocefalia. Sim, eu sofro com isso. Fui para casa e mais um período de algumas semanas, melhorou um pouco, mas depois não, eu estava sofrendo com muitas coisas engraçadas acontecendo! A parte inferior do meu corpo lembrava o que minha mãe havia dito. Então, eu fui ver meu médico.

 

Sentado em seu consultório  fiz a pergunta:  o que você sabe sobre a síndrome pós-pólio? Ele me disse que algumas pessoas que frequentavam a clinica tiveram poliomielite, mas que ele pessoalmente conhecia muito pouco sobre isso.

 

Então, o próximo passo foi falar com meu colega John Willoughby, que foi professor de Neurologia da Flinders Uni por muitos anos e depois de uma conversa bastante longa ele disse que sim, tenho certeza que você tem Síndrome Pós Pólio (SPP).

 

Entrei em contato com o pessoal da Polio Australia em Adelaide e me deram o nome de Nigel Quadros, que era a pessoa de referência em Adelaide para fazer um check-up adequado. Ele confirmou o diagnóstico e me disse um monte de coisas que eu deveria buscar.

 

Envolveu algumas mudanças importantes, sendo a primeira o fato de que me disseram para reduzir pela metade meu ciclo de trabalho, o que implicava em desacelerar de correr minha vida a 100 quilômetros por hora para 50 em praticamente todas as categorias porque, com o passar do tempo, começarei a sofrer cada vez mais com uma série de questões relacionadas.

 

Aumento nos meus níveis de fadiga; degradação dos meus músculos e sistema nervoso que foram atacados pelo vírus da poliomielite; coisas que eu pego no dia a dia parecerá ficar mais pesado com o passar do tempo; cólicas fortes, dormência e formigamento que podem acontecer a qualquer momento principalmente em meus pés. Um aumento relacionado a dores em lugares aleatórios na parte inferior do meu corpo.

 

Um aumento nos meus níveis de estresse em toda a linha. Eu sou certamente mais fraco do que eu era 3 anos atrás!
 

Rod Muller - minha história com a Pólio!!!

Instalei 3 guindastes elétricos para ajudar em qualquer trabalho pesado e dividi minha lenha em pedaços menores e conto com outras pessoas para me ajudar com mais frequência.

 

Foi-me dito uma série de coisas que eu poderia fazer para me ajudar a superar parte da degradação e reduzir minha taxa de declínio:

 

Coma bem mas não fast food e  consuma um mínimo de 100 gramas de proteína de boa qualidade todos os dias;

 

Pratique hidroterapia com piscina aquecida;

 

Encontre um bom massagista e fisioterapeuta!;

 

Evite o frio! Mantenha-se sempre aquecido!!!


 

Fonte texto e foto:

Polio SA

https://www.poliosa.org.au/